Ocorreu um erro neste gadget

terça-feira, 9 de setembro de 2014

Olhar (realmente) ao redor

Ninguém é tão certo de si que nunca esteve errado. Sou uma dessas, que após perceber o erro assumiu toda sua porcentagem de culpa. Já fiz muita besteira na minha pouca vida e quando se trata de fazer besteira só pra mim ainda é admissível, mas de todas minhas besteiras a maior foi não olhar a minha volta em ocasiões onde exigia um olhar especial, não uma simples passada de olho. Tu já deves ter entendido que estou me referindo a não dar importância às pessoas ao redor.
Muitas vezes quando nossa vida vira uma correria, uma rotina massante, estressante, a gente esquece que tem mais gente por perto fazendo o que pode pra tornar nosso dia melhor, ou até que a outra pessoa pode ter problemas bem maiores do que os nossos e que reagir na base da agressividade não vai solucionar as coisas. As vezes a gente esquece de olhar de verdade pro lado, pras ações alheias e principalmente pras nossas, esquecemos até das pessoas que estão sempre ali do nosso lado e talvez por pensarmos desse jeito não demonstramos dar todo o valor que merecem. Já deixei de aproveitar um dia lindo e só me dar conta disso no final da noite, mas dai já tinha passado. A vida é curta demais pra desperdiçar os nossos olhares.

quarta-feira, 3 de setembro de 2014

Toda noite

Já não era a primeira vez que eu acordava no meio da noite sem motivo aparente nas últimas semanas. Olhava ao meu lado na cama e você dormia, sereno, parecia estar em alguma espécie de sonho bom e eu sempre sorria quando te via desse jeito. Beijei o topo da sua testa devagar com carinho e olhei o relógio no criado-mudo, já passava das quatro. Tentei voltar a dormir, me recostei e fechei os olhos, pensando que talvez fosse o estresse da semana corrida, alguma preocupação financeira, algum anseio que me deixou nervosa, quem sabe. Mas você respondeu isso pra mim sem saber. Senti você se movimentando na cama e endireitando o corpo pro meu lado, ao abrir meus olhos você estava me olhando com a cabeça apoiada na palma da mão e braço apoiado no travesseiro, lindo como sempre pra mim, mesmo que não tivesse um porquê aparente eu sorri e me aproximei virando meu corpo de frente para o seu. De repente seu olhar ficou mais aceso e meu corpo reagiu a ele deixando um frio leve percorrer minhas costas. As pontas do seus dedos percorreram a lateral do meu corpo, fazendo uma linha reta por ali enquanto também afastava o lençol que cobria meu corpo, e eu te olhava enquanto você acompanhava com o olhar a extensão da linha.
Naquela madrugada você ficou acordado comigo, pra mim. Você soube me dizer o que era o motivo da minha falta de sono, era você, mesmo que tivesse bastante de ti nunca pareceu o suficiente, sempre era dia, era hora, era momento pra te ter mais uma vez.


domingo, 31 de agosto de 2014

Pra esclarecer

Queria olhar um filme, comer qualquer coisa atoa, te abraçar e acariciar teu cabelo enquanto ficávamos no sofá. Um filme de ação ou até um de suspense que eu pudesse apertar teu braço ao me emocionar. Uma viagem de carro, mesmo que curta, com o sol no fundo e só a estrada a nos acompanhar. Uma noite de verão, a gente se amando na praia. Inverno, vinho e chocolate. Qualquer plano era bom, quando tinha você. Qualquer ideia era boa, até eu perceber. Que você não se importava, ou talvez não precisava, que fosse eu pra estar com você. Que alguma outra servia, completava, aquilo que você conseguia ver. Que antes seu olhar era tranquilo e não existia um mundo lá fora quando se tratava da gente, mas depois isso foi se desfazendo e a gente foi se perdendo na roda que a rotina lá fora criou. Não lembro quando foi que isso começou, não lembro o ponto certo, mas as coisas se desfizeram e a gente se desfez e de algum jeito, depois daquele ponto, você acabou sendo uma foto que eu guardo e olho às vezes quando dá saudade, quando dá saudade de ti, quando dá saudade de mim do teu lado e quando dá saudade da época que não tinha relógio na nossa vida.


sábado, 30 de agosto de 2014

E se for você...

... fica pra escutar. Pra escutar que sempre esperei te conhecer, fica pra escutar que sei todos os seus defeitos e mesmo assim aceito e prefiro todas as tuas qualidades. Fica pra me escutar dizer o quanto adoro o jeito do teu cabelo ao acordar, o jeito do riso ao me falar que estou certa ou até errada. Fica só mais um pouco pra eu deixar meu corpo colado ao teu como se nada no mundo existisse ao nosso redor, como se nada dependesse de nós, como se não tivemos compromisso com nada que não fosse nossos lençóis, porque eu adoro me emaranhar neles e te procurar ao mesmo tempo em que me perco, em que me perco nos lençóis, em ti, em nós, em nosso tempo. Se eu puder te pedir pra ficar, te peço pra ficar o quanto der, o quanto puder, o quanto quiser, pra me amar, pra eu te amar, pra transformar isso tudo em um só querer. Porque eu te quero, tanto e quanto, que vai ser difícil isso se acabar, mas se acabar, tu podes ter certeza, certa e final de que eu te quis, tanto e quanto que minha pele pra sempre vai lembrar da intensidade do teu toque ou sempre vou lembrar do teu sorriso ao me ver. Meus olhos sempre vão recordar, e meu coração sempre vai saber.


domingo, 24 de agosto de 2014

O porquê de tudo

Ela gostava dele. Do jeito que ele ria, do jeito diferente que ele pensava. Ele mostrava dar importância a opinião dela e as coisas que ela gostava. Ela sorria pra ele e gostava de ver que ele olhava. Se ela pudesse passava o dia inteiro deitada olhando ele dormir e ficando mais admirada. Ele a acariciava e o toque da sua pele era macio, cada vez mais ela gostava. Ele tinha opinião forte e com verdade ela o escutava. Ela sonhava com ele a noite as vezes e na manhã seguinte sempre se questionava se ele era real e se era tudo aquilo que ela tanto esperava. Ele era sim e era tanto que ela até ficou espantada. Ele teve que ir embora enquanto ela olhava. E ela entendia, nem tudo o que vinha sempre ficava. Mas de tudo nele ela tinha certeza de que gostava.

quarta-feira, 9 de abril de 2014

O que faltou Cartola dizer..

"Teves outro grande amor depois do meu, teves sim. Triste seria querer tua vida toda só pra mim. Aceitar isso é quebrar as grades do apego, é estufar o peito e voar livre, por saber que te libertei.."

Na verdade esse poema nunca tinha feito tanto sentido quanto nos últimos momentos. Senti que não posso cobrar coisas que fogem do normal em dada situação, senti que mesmo que ambos sintam a mesma coisa, nem sempre tudo dá certo e nem por isso quer dizer que deu errado. Senti que deixar alguém livre pra ser feliz com outra pessoa, não quer dizer que você não se importa, pelo contrário, quer dizer que você se importa mais do que várias pessoas, querer o bem de quem se gosta, é gostar de verdade.

Deixe-se livre para apreciar a felicidade de alguém que já estivera ao teu lado, assim como um dia vão apreciar a sua felicidade quando ela chegar.


quinta-feira, 4 de abril de 2013

Nós desatando os nós

E enquanto você acredita em algo, está tudo bem, tudo é possível, você se empenha, continua fixo no seu proposito. Mas o que ninguém fala, sobre o que ninguém escreve pra você, é quando a corda começa a arrebentar, quando você tem que deixar que o seu sonho se vá, porque a verdade é que ninguém gosta de assumir ter perdido seu sonho, sua ambição, seu proposito. Não é fácil, exige tempo, coisa que não tem como apressar, por isso o processo é meio doloroso, porque é as poucos que você vai sentindo na mesma intensidade. O que ninguém fala, é quando percebe que deve-se deixar que a esperança de amor se vá.
Depois que você se dá conta de que o nó não é mais nó, que não ata mais, só desata, que não emaranha a linha só desanda, então, não tem volta tão cedo, só segue sem acreditar ou pior, até desata o nó e larga a linha ao vento. Gostar de alguém é maravilhoso, mas gostar de si, é muito mais. Não é egoismo, mas amor próprio. Não é exagero, é realidade. Ache uma linha que se ate, se desate, mas que volte a se atar de novo, porque amor é assim, ele brinca com nossa coordenação, até cansa, mas nos prende.

Boa noite, enquanto isso, vou tentando atar minha linha.